Sociedade

Publicado em 10/08/2015

Funk ostentação passa por momentos de readaptação por causa da crise econômica

Sai Ferrari, entra Volkswagen. Sai condomínio, entra favela. O funk ostentação continua esbanjando, mas teve de se adaptar à crise do consumo. “O sonho agora é pagar as contas e a música tem de retratar isso”, diz o MC Bó do Catarina, um dos representantes do gênero. Com vídeos que chegam a 16 milhões de visualizações, o funqueiro acredita que o estilo foi atingido em cheio pelo momento econômico. Não à toa, ele lançou a música Com Dinheiro Tudo é Mais Fácil.

Os MCs, que antes gravavam em lugares vips e condomínios fechados, estão de volta às favelas, conta MC Naldinho, que criou o termo ostentação de periferia para definir o que canta. Suas músicas mais recentes refletem o novo momento do País. Em vez de cantar os importados de luxo, as letras falam de modelos comparativamente mais modestos, como um Jetta de R$ 80 mil.

O impacto vai além da produção musical. Naldinho e Bó afirmam que o número de shows diminuiu. “Tem muito MC com carrão e mansão, que fez conta para caramba e agora não está conseguindo pagar”, diz Bó. Segundo o cineasta Renato Barreiros, diretor do documentário Funk Ostentação, o público tem trocado os bailes pagos pelos bailes de rua, os chamados “fluxos”, que têm acesso livre e bebida mais barata.

“A crise econômica afeta o bem-estar das pessoas, porque o consumo tem muita força. E a música é um reflexo da ideia e do discurso da sociedade”, explica Leandro Valiati, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e especializado em Economia da Cultura.

O funk ostentação surgiu na periferia de São Paulo e atingiu seu auge no começo da década, acompanhando a ascensão das classes C e D. “Sonhar com um consumo ‘de elite’ mostrava para a periferia que eles estavam inseridos em uma nova posição social”, diz o professor da UFRGS. Mesmo que a Ferrari não estivesse na garagem, ela não parecia mais tão impossível.

A mudança econômica também abriu espaço para o funk consciente, do qual MC Garden desponta como o principal representante. Na música Isso é Brasil, cujo clipe tem 4 milhões de visualizações, ele critica da exploração de bolivianos à falta de investimento em educação. Mas o cineasta Renato Barreiros não acredita que o funk consciente possa assumir o lugar da ostentação. “O gênero nunca foi marcado pelo protesto social.” MC Bó vai no mesmo caminho. “(Funk) tem de passar alegria, não adianta ficar cantando tristeza e tragédia.”

Fonte: Estadão






Back to Top ↑